Caravana LGBTI+ debate diversidade em cidades pernambucanas

A coordenação estadual da Aliança Nacional LGBTI+ começa a partir desta sexta-feira (13) uma caravana por cidades da Região Metropolitana do Recife e Interior de Pernambuco para debater com a sociedade temáticas relacionadas à diversidade. “Nós sabemos que no Interior do Estado a realidade é ainda mais difícil para essa população. A ideia é ampliar o diálogo e unir cada vez mais cidades em torno da causa”, explicou Marco Mota, coordenador da Caravana da Aliança em Pernambuco.

Cidades como Jaboatão dos Guararapes, Caruaru, Arcoverde, Petrolina, Triunfo e Garanhuns serão contempladas com o projeto. “Em cada uma delas, vamos discutir uma temática relacionada às particularidades da cidade”, explica Marco. “Em Jaboatão, por exemplo, vamos falar sobre como a educação pode tratar de maneira mais inclusiva esse público, porque recentemente duas professoras foram afastadas de uma escola da região por trazer o assunto para a sala de aula.”

No ano de 2016, a ONG Dignidade elaborou uma pesquisa sobre o ambiente escolar no Brasil. O relatório mostrou que 73% dos alunos LGBTs sofrem algum tipo de bullying na escola, sendo constantemente agredidos verbalmente. Cerca de 60% não se sentem seguros no ambiente acadêmico e 37% deles são agredidos fisicamente por causa de sua orientação sexual. Mesmo apontando as agressões à direção das escolas, 36% deles disseram que não recebem apoio dos professores ou responsáveis pelo colégio. “Muitas dessas pessoas são afastadas da escola por conta do preconceito. Hoje, 90% das mulheres trans e travestis têm a prostituição como lugar condicionado, ou seja, só encontram essa saída para conseguir uma renda. Isso porque não conseguem acesso à educação”, lamenta Marco.

Ricardo Andrade nasceu e foi registrado como Jeneffer e enfrenta preconceitos por isso
Foto: Ed Machado

O técnico em radiologia Ricardo Andrade, de 24 anos, fala sobre as dificuldades que já enfrentou. Ele nasceu e foi registrado como Jeneffer Samantha, nome que ainda consta nos documentos oficiais. “Coloquei currículo para ser estoquista e passei pelas etapas até ser chamado. Faltava apenas a documentação. Quando entreguei, percebi de imediato o choque. Depois disseram que entrariam em contato comigo e com outros dois rapazes. Eles foram chamados para trabalhar e eu não”, lembra.

A primeira parada será esta sexta na praça Nova Divinéia, em Cajueiro Seco, às 19h30. Para ver a programação completa, é só acessar as redes sociais da Aliança LGBTI+ de Pernambuco. Paralelamente, o Grito dos Excluídos do Recife, junto a outras entidades e movimentos sociais, está realizando a Semana de Direitos Humanos e Cidadania LGBT. Hoje, a partir das 18h30, será exibido o vídeo “A história Incompleta de Brenda e de Outras Mulheres”. E, às 19h30, a Luta por Direitos e Cidadania LGBT será o tema de debate, com a advogada Robeyoncé Lima e Marco Mota. O evento acontece no MTC Recife, localizado na Rua Gervásio Pires, 404, Boa Vista.

Via Folha PE.